Polêmica de vereador Leandro Guerreiro e gays chega ao portal da VEJA

0

A polêmica promovida pelo vereador Leandro Guerreiro (PSB) sobre uma campanha publicitária da Prefeitura Municipal de São Carlos de prevenção contra doenças sexualmente transmissíveis, ganhou a grande imprensa. Nesta segunda-feira, 20 de fevereiro, o portatl da poderosa revista VEJA abordou o assunto.

Leia na íntegra a matéria da VEJA.

Para vereador, campanha sobre camisinha em SP é “pornografia”

Vereador de São Carlos diz que insinuação de nudez de três casais, dois deles homossexuais, é “material lixo”; movimento LGBT promete “beijaço”

Uma campanha de estímulo ao uso de preservativos realizada pela Prefeitura de São Carlos, no interior de São Paulo, gerou um enfrentamento entre o vereador Leandro Augusto do Amaral, conhecido como Leandro Guerreiro (PSB), e o movimento LGBT. Em vídeo publicado em seu perfil no Facebook, o vereador acusou o material, que continha imagens de três casais – um heterossexual e dois homossexuais – de se tratar de “pornografia com dinheiro do povo”. Um grupo de ativistas LGBT, em retaliação, marcou um “beijaço”, previsto para acontecer nesta terça-feira na Câmara Municipal da cidade.

Publicado em um jornal local, o anúncio é dividido em duas partes. Na parte de baixo, elogiada por Leandro, estão informações técnicas de estímulo ao uso do preservativo e o desenho de um casal heterossexual, vestido, com uma embalagem na mão. Na parte de cima, no entanto, desenhos dos três casais, aparentemente sem roupa e debaixo de lençóis, foram identificados como material pornográfico, “lixo”, pelo parlamentar. Ele afirmou ter ficado sabendo da campanha após ver, em uma praça, uma criança “de seis ou sete anos” questionar a mãe “se as moças estavam namorando”, em referência ao casal lésbico presente no anúncio.

Guerreiro isenta o prefeito, Airton Garcia (PSB), filiado ao mesmo partido que ele, e dirige seus ataques ao secretário municipal de Comunicação, Mateus de Aquino, a quem chama de “infantil” e “babaca”. O vereador rejeita o título de “radical” e diz que “ninguém quer saber se pega” em relações heterossexuais ou homossexuais as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) – nova terminologia oficial para enfermidades transmitidas através do sexo, adotada me novembro pelo Ministério da Saúde.

O parlamentar, que já desenhou profissionalmente para a Prefeitura, ressaltou os custos para a publicação do anúncio, que estima em “mais de cinco mil reais” e comparou com outro material produzido pela Secretaria de Comunicação, que trata da febre amarela e não teve ilustrações. “Por que não ilustraram? A febre amarela não é importante?”, questionou.

Concluindo sua argumentação, Leandro Guerreiro diz que “aqui o povo elegeu um vereador que é macho”, mas que, se fosse mulher, “honraria o gênero feminino”, pedindo para não ser interpretado como machista. Ele define o vídeo como um “desabafo”, rasga a página do jornal e pede que a população apoie ele na cobrança para que a Prefeitura reveja a campanha, “ou vocês querem que uma criancinha de seis anos compre camisinha na farmácia?”

“Beijaço”

Criado em nome do servidor público João Biancolin, candidato a vereador da cidade pelo PSOL no ano passado, o evento “Beijaço para o vereador Leandro” reúne 236 pessoas confirmadas na rede social. No texto de convocação para o ato, o movimento afirma que “é assustadora a capacidade de certos seres humanos de expressarem publicamente sua boçalidade, incompreensão e ignorância” e ressalta a percepção de que as declarações do parlamentar têm cunho discriminatório contra a população LGBT.

A criação do evento despertou a realização de outro vídeo pelo vereador, apagado posteriormente. Nele, Leandro nega ser homofóbico, diz que os manifestantes serão “cabos eleitorais” dele para as próximas eleições e que “o pessoal LGBT se faz de vítima” e tem “pele sensível”.

Uma das organizadoras do evento, Niege Pavani afirmou ao site de VEJA que o ato não foi a primeira medida do movimento e só foi agendado após Leandro apagar do vídeo comentários que questionavam as suas declarações, que o grupo interpretou como fechamento ao diálogo. Ela afirma que “beijaço” é um termo simbólico e que não necessariamente haverá beijo entre os presentes, concentrados na tentativa de obter um espaço na chamada Tribuna Livre, espaço da Câmara Municipal para manifestações de cidadãos, onde farão pedido de advertência ou suspensão ao parlamentar.

Prefeitura

Em nota, a Prefeitura de São Carlos se defende das críticas do vereador. Segundo o executivo municipal, a campanha seguiu as determinações do Ministério da Saúde, “englobando todos os públicos, sem discriminação e restrições”. A nota afirma, também, que o objetivo do cartaz é chamar a atenção de um público-alvo específico, os jovens, que seriam uma das “populações-chave para a infecção pelo HIV, além de outras infecções transmitidas pelo sexo”.

A comunicação da Prefeitura justifica, ainda, que a campanha é necessária pois mais de 800 mil pessoas possuem o vírus da AIDS hoje no Brasil. Procurado pelo site de VEJA, o vereador Leandro Augusto do Amaral não havia se manifestado até a publicação desta nota.

Share.

About Author

Leave A Reply