Com Lukaku e Mbappé, Bélgica versus França terá 20 atletas de raízes africanas

0

Mbappé e Lukaku na Copa
Mbappé e Lukaku na Copa Foto: AFP
Extra

Nenhuma nação da África se classificou para a fase final da Copa da Rússia, mas as raízes do continente estarão nos holofotes da semifinal do torneio. As bandeiras europeias que predominam na última fase do Mundial não afastam o DNA africano de sua decisão: só no jogo entre Bélgica e França, nesta terça-feira, 20 jogadores têm ascendência africana — sete deles da República Democrática do Congo (RDC) — segundo apurou o diário “Olé”.

As duas seleções são as favoritas ao título da Copa. A organização de time e o talento europeu ganhou muito com a inclusão dos filhos de imigrantes africanos. Tais jovens se tornaram, em vários casos, os principais jogadores das equipes. É o caso do goleador belga Romelu Lukaku, cuja família fora forçada a abandonar uma RDC em guerra.

Além de Lukaku, os belgas Vincent Kompany, Dedryck Boyata, Youri Tielemans e Michy Batshuayi têm parentes do Congo. Marouane Fellaini e Nacer Chadli têm sangue marroquino e Mousa Dembélé, malês. Três outros jogadores também são descendentes de imigrantes de outros continentes: Yannick Carrasco, da Espanha; Axel Witsel, de Martinica; e Adnan Januzaj, do Kosovo.

No time da França, a joia Kylian Mbappé tem pai camaronês e mãe argelina. Nasceu na França de pais que saíram da África em busca de condições melhores de vida.

Paul Pogba tem raízes de Guiné, enquanto N’Golo Kanté leva para jogo a herança do Mali. Os pais dos três nasceram na África. Outros astros têm DNA africano: Samuel Umtiti (Camarões), Adil Rami (Marrocos), Benjamin Mendy e Djibril Sidibé (Senegal), Presnel Kimpembe (RDC) e Nabil Fékir (Argélia). O goleiro Steve Mandanda é franco-congolês, enquanto Blaise Matuidi têm herança do Congo e de Angola e Ousmane Dembélé, de Senegal, Mali e Mauritânia.

Share.

About Author

Leave A Reply